Onde comer e beber em Frankfurt, na Alemanha: dicas de restaurantes com comida típica
Entrada do Zun del 12 Apostoln - restaurantes em Frankfurt

Onde comer e beber em Frankfurt, na Alemanha: dicas de restaurantes com comida típica

[vc_row][vc_column width=”2/3″][vc_column_text]No quesito restaurante, Frankfurt é uma cidade muito bem servida, com boas opções para todos os gostos. Na nossa viagem (ao todo ficamos por 4 dias pela cidade), fomos a 3 restaurantes em Frankfurt de comida bem típica alemã que experimentamos e adoramos: Atschel, Paulaner Am Dom e Zu den 12 Apostoln. Nesse post a gente conta detalhadamente nossa experiência em cada um deles, as comidas, o atendimento, os preços, tudo pra te ajudar na escolha dos melhores restaurantes em Frankfurt.  🙂

Atschel

Fizemos uma pesquisa prévia para mapear as melhores opções de restaurantes no bairro de Sachsenhausen, já que a programação do dia era visitar os museus daquela região, e o Atschel era um dos favoritos: comida típica, tradicional, top 10 em avaliações de clientes, frequentado por locais e com preços na média.

Logo na chegada, percebemos que a escolha tinha sido certa: o restaurante estava lotado, muita gente animada, muita cerveja vom fass (diretamente do barril, um equivalente ao nosso chope) e drinks sendo servidos a todo momento.

Dentro do Atschel - lotado!
Dentro do Atschel – lotado!

 

Vimos que até pra compartilhar uma mesa com alguém seria complicado (sim, isso é super comum na Alemanha), mas fizemos contato visual com o senhor do balcão do bar (que parecia ser o dono ou gerente, vou assumir que era o dono), que indicou pra gente sentar no balcão mesmo. Logo percebemos que ele não entendia nem falava uma única palavra em inglês, mas incrivelmente a comunicação acontecia. 🙂 Fizemos como ele sugeriu e sentamos no balcão.

Conseguimos um lugarzinho no balcão
Conseguimos um lugarzinho no balcão

Pra não fugir da tradição, pedimos logo 2 cervejas de 500ml cada enquanto esperávamos por uma mesa. O movimento do local era incrível, o dono não parava de tirar pedidos e cumprimentar os clientes que chegavam – a impressão era de que várias pessoas ali eram clientes fiéis do Atschel. Tinha um drink que levava pêssego ou ameixa em calda com uma bebida licorosa que ele produzia na faixa de uns 10 por minuto. O.o

Mais cerveja!
Mais cerveja!

 

Logo percebemos que era possível pedir os pratos ali no balcão mesmo (vimos uns alemães ao lado fazendo isso). Resolvemos então analisar o cardápio pra já fazer nosso pedido, e foi aí que aconteceu algo no minimo “peculiar”. Dois alemães entraram no restaurante e, sem falar nada com o dono, foram sentando numa mesa do nosso lado (que já estava ocupada). Eles “forçaram a barra”, espremeram o pessoal da mesa, e simplesmente sentaram. O dono ficou uma fera, e começou uma discussão (em alemão, obviamente). De repente vimos que estávamos no meio da confusão. O que deu pra perceber foi que o dono alegou que nós estávamos aguardando por uma mesa, e que eles não podiam chegar e sentar sem falar nada com ninguém. Nisso, os dois alemães ofereceram o lugar pra gente, mas estávamos confortáveis com a ideia de comer no balcão, e agradecemos, mas continuamos onde estávamos. Só sei que o dono continuou o bate boca até que conseguiu expulsar os 2 sujeitos pra fora do restaurante (detalhe: um deles estava de muletas!). Isso mostra um traço bem típico do alemão, que é o de não aceitar o “jeitinho” que a gente anda tão acostumado em ver por aqui. O dono não gostou da atitude dos 2 sujeitos, e não deixou aquilo barato, até resolver a situação.

Apesar da aparente “tensão” da cena, o dono ficou imediatamente tão calmo assim que a discussão acabou, assoviando, olhando pra gente e rindo, que nem deu pra ficarmos nervosos – na verdade, virou história pra contar!  🙂

Passado esse momento, tentei pedir uma sugestão de comida pro dono na base da mímica (estava em dúvida entre um prato com molho de cerveja e um com molho de vinho), e ele deu a entender que eu TINHA que pedir o de molho de vinho, que era muito melhor. Aí não deu pra discordar, né? O prato era bochecha de porco cozida no vinho, com spätzel e legumes.

 

Bochechas de porco no molho de vinho com Spatzel e legumes - sugestão do dono
Bochechas de porco no molho de vinho com Spatzel e legumes – sugestão do dono

 

A Chai foi nesse delicioso schnitzel com queijo gratinado, sobre uma “cama” de batatas e salada. Esse queijo tostadinho tava bonito demais. 🙂

Schnitzel com queijo gratinado e salada
Schnitzel com queijo gratinado sobre uma “cama” de batatas e salada

Pra manter o costume, de sobremesa pedimos um apfelstrudel pra dividir – ótimo, por sinal. No final, acho que o dono percebeu a nossa curiosidade com o drink que ele preparava sem parar (o tal com ameixa em calda) e nos ofereceu 2 de cortesia. Era o que faltava pra fechar uma grande noite! 🙂

Drink por conta da casa - ameixa em calda e Calvados
Drink por conta da casa – ameixa em calda e Calvados

A conta no total ficou na casa dos 40 euros. Um preço mais ou menos padrão na cidade para um casal pedindo 2 pratos principais, algumas cervejas e 1 sobremesa.

Paulaner am Dom

Nesse nós fomos num final de tarde, e o foco era a cerveja. O Paulaner am Dom fica bem pertinho da Römerplatz, é muito fácil de chegar e é bastante procurado pelos turistas.

Entrada do Paulaner am Dom - restaurantes em Frankfurt
Entrada do Paulaner am Dom – restaurantes em Frankfurt

 

Por dentro o restaurante é bem decorado, com aquele clima charmoso dos restaurantes típicos. As atendentes todas se vestem com aquelas roupas tradicionais alemãs (o que as vezes parece meio forçado), mas que no final das contas ajuda a compor a atmosfera.

Área interna do Paulaner am Dom - restaurantes em Frankfurt
Área interna do Paulaner am Dom – restaurantes em Frankfurt

As cervejas vom fass não fogem muito do que já se espera da Paulaner: as opções são o Natural (mais próximo do pilsen), o Weizen (trigo) clássico e o Dunkel (mais maltado). Pedimos uma Weizen e um Dunkel (ambos de 500ml).

Chope Paulaner direto da fonte - restaurantes em Frankfurt
Paulaner direto da fonte – restaurantes em Frankfurt

 

Chope paulaner direto na fonte
Paulaner direto na fonte

Cada copo desses aí sai por volta de 4,50 euros – um pouquinho acima da média da cidade, mas ainda um valor aceitável. Vale pela experiência de ir a um bar/restaurante da Paulaner uma vez na vida.

O atendimento não foi nada de especial, tivemos uma receptividade bem melhor nos outros 2 restaurantes que relatamos nesse post.

 

Zu den 12 apostoln

O Zu den 12 Apostoln foi o escolhido pro jantar da nossa 1ª noite em Frankfurt (e na Alemanha). Ele era um dos top 10 da cidade de acordo com as opiniões dos clientes no Trip Advisor, e pelas fotos e comentários parecia ser bem no estilo que queríamos: comida típica, bom ambiente, sem pegadinhas para turistas, num ambiente frequentado também pelos locais.

O restaurante fica bem próximo das áreas mais turísticas da cidade, mas numa ruazinha ligeiramente escondida (com ajuda do Google Maps é tranquilo de achar). Isso garante que ele não seja a primeira opção das hordas de turistas. 🙂

 

Entrada do Zu den 12 Apostoln - restaurantes em Frankfurt
Entrada do Zu den 12 Apostoln – restaurantes em Frankfurt

 

Entrada do Zun del 12 Apostoln - restaurantes em Frankfurt
Entrada do Zu den 12 Apostoln – restaurantes em Frankfurt

 

O restaurante tem 2 salões: o 1º é esse que dá pra ver das janelas da foto, e o 2º é no subsolo – este até mais espaçoso. Quando chegamos, fomos direcionados para o subsolo.

 

Salão subterrâneo do Zu den 12 Apostoln - restaurantes em Frankfurt
Salão subterrâneo do Zu den 12 Apostoln – restaurantes em Frankfurt

O restaurante estava lotado, e como não tínhamos reserva, o garçom sugeriu que esperássemos no bar tomando uma cerveja. Dito e feito, pedimos 2 cervejas vom fass de 500ml (produção local): uma Weizen e uma Helles.

Triguinho pra começar bem a viagem
Triguinho pra começar bem a viagem

Em coisa de 5 ou 10 minutos nos conseguiram uma mesa (não deu tempo nem de matar as cervejas). Vale dizer que, desde o início, o atendimento foi bom e o garçom bastante solícito (todos que nos atenderam falavam um bom inglês).

vista da mesa do Zu den 12 apostoln
vista da mesa do Zu den 12 apostoln

 

Primeira noite, primeira refeição, é claro que a gente não se controlou e, mesmo sabendo que seria demais, pedimos um prato principal pra cada um. Eu fui direto no “Schweine Haxe” – joelho de porco com batatas “fritas” (que na verdade eram meio coradas) com chucrute. Destaque para a pele bem torradinha por fora e macia por dentro. Hmmmmmm  🙂

 

Joelho de porco com batatas e chucrute
Joelho de porco com batatas e chucrute

 

A Chai foi de “Schnitzel Jager Art”, outro prato tradicionalíssimo – porco a milanesa com um molho delicioso de cogumelos frescos e com a mesma batata frita do meu joelho.

Schnitzel Jager Art
Schnitzel Jager Art

 

No final, ainda tivemos forças pra dividir um apfelstrudel sensacional (um dos melhores da viagem), que vinha com chantily e sorvete. Esse tava tão bom que não teve nem foto, mas pode confiar, valeu muito a pena.

A conta no final deu exatos 37,50 para o casal. Bem justo para toda a qualidade da experiência que tivemos.[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/3″][vc_tta_tabs][vc_tta_section add_icon=”” title=”Últimos posts” tab_id=”1438600542051-482a9487-cfdc848c-081b”][vc_mad_posts_numeric orderby=”post_date” posts_per_page=”5″][/vc_tta_section][vc_tta_section add_icon=”” title=”Mais Comentados” tab_id=”1438600542115-3e48a226-2176848c-081b”][vc_mad_posts_numeric orderby=”comment_count” posts_per_page=”5″][/vc_tta_section][/vc_tta_tabs][vc_column_text]

Booking.com

[/vc_column_text][vc_mad_our_writers posts_per_page=”3″ title=”Viajantes”][/vc_column][/vc_row]

Compartilhar:FacebookTwitter
Augusto
Escrito por
Augusto
Envie sua pergunta ou comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários
  • Muito boa a materia e as dicas. Sugestão: na Alemanha nao existe Chopp. Isso é típico do Brasil e só no Brasil. Na Alemanha a cerveja vem em garrafas ou do barril (Fass, Bier von Fass). Detlharam bem os locais, poderiam caprichar nessa explicacao tambem.
    Abs, Bruno

Viajar é Demais