22 de dezembro de 2016

A encantadora Bamberg: roteiro de 1 dia (bate e volta a partir de Nuremberg)

O começo do dia

Na viagem para Alemanha de nov-dez/2016, nossa segunda cidade base foi Nuremberg, entre os dias 27/nov e 01/dez. Nos 5 dias dias que ficamos por lá (veja também o roteiro completo), escolhemos a cidade de Bamberg para fazer o bate e volta.

Razões para visitar a cidade de Bamberg, na Alemanha

As razões principais para escolher Bamberg para o bate e volta foram basicamente duas:
1) ficava a 50 minutos de trem de Nuremberg, o que permitiu que a gente saísse do hotel assim que o dia clareou (8h30-9h no inverno). Tomamos café da manhã na Hauptbanhof de Nuremberg, mais precisamente na Yorma’s da estação e seu incrível e delicioso cappuccino de 1 euro. Compramos o ticket na hora mesmo e escolhemos o “Tages Ticket“ que era a opção com melhor custo-benefício, como explicamos no post de Nuremberg, no Dia 2. O trem que faz o trajeto Nuremberg – Bamberg é o trem regional;

2) é também a cidade da região da francônia na Baviera que tem a maior tradição e cultura cervejeira, totalizando mais de 300 cervejarias. Isso faz de Bamberg, a cidade com maior densidade de cervejarias por número de habitantes do mundo! O estilo mais famoso de lá é a Rauchbier, um tipo de cerveja produzida a partir de malte defumado, caracterizando um sabor parecido com o de carne defumada. Sim! Você leu certinho! É gosto de carne defumada. Mas é incrivelmente boa. Pelo menos achei isso da rauchbier produzida em Bamberg. Já experimentei no Brasil (uma em SP e outra em Teresópolis/RJ) e não curti muito não.

Trajeto Nuremberg/Bamberg - Vista do trem

Trajeto Nuremberg/Bamberg – Vista do trem

Chegamos pela Hauptbahnhof Bamberg, a estação de trem

Chegamos na estação de Bamberg por volta de 10h. Era uma manhã de sol, bem iluminada mas extremamente fria. Na saída da estação, ainda era possível ver gelo na vegetação dos canteiros da avenida e nas bicicletas que passaram a noite no bicicletário.

Bicicleta e canteiro congelados em frente à Hauptbanhof

Bicicleta e canteiro congelados em frente à Hauptbanhof

 

Descemos pela Obere KönigStraße em direção ao centro histórico, parando em um supermercado ali, uma vitrine acolá. Seguimos nosso caminho já tentando identificar as cervejarias da região. No trajeto, vimos a vitrine da Kerlings Feinbäckerei, uma padaria fofíssima e não resistimos. Tinha um doce que era muito igual a cueca-virada (grostoli) e já fui logo comprando. Era mais sequinho do que o doce do sul do Brasil, mas era bem gostoso.

Cueca-virada na padaria de Bamberg

Cueca-virada na padaria de Bamberg

Já começamos a beber cerveja de manhã ?

No final da rua, demos de cara com uma Die Bierothek, loja de cervejas especiais maravilhosa! Papo vai, papo vem, saímos de lá com uma garrafa de cerveja e ainda estávamos em plena manhã de segunda-feira. Mas em viagem vale tudo, né?! Até postar foto em rede social pra deixar os amigos com inveja 🙂

Rauchbier comprada na Die Bierothek e sendo devidamente degustada na Ponte Kettenbrücke, sob o Rio Regnitzar

Rauchbier comprada na Die Bierothek e sendo devidamente degustada na Ponte Kettenbrücke, sob o Rio Regnitzar

 

A partir dali a cidade é incrível em cada canto que você olha. Como essas paisagens vistas da Ponte Kettenbrücke, que é a ponte dos cadeados do amor de Bamberg. A cidade é cortada pelo rio Linker Regnitzar, que deságua no rio Main (o rio que corta Frankfurt).

Paisagens a partir da Ponte Kettenbrücke

Paisagens a partir da Ponte Kettenbrücke

O Mercado de Natal e o Mercado Verde de Bamberg

De lá, seguimos pela Hauptwachstraße até a MaximiliansPlatz, onde fica a estátua de Maximilian Brunnen e onde acontecia o Mercado de Natal de Bamberg. Leia nosso post sobre Mercados de Natal na Alemanha se quiser saber mais.

Estátua de Maximilian Brunnen e Mercado de Natal

Estátua de Maximilian Brunnen e Mercado de Natal

 

Na sequência, passamos pelo Grüner Markt, que traduzindo seria o “Mercado Verde”, um mercado aberto, cheio de barraquinhas coloridas que vende desde frutas, verduras, pães, flores e tudo que é possível fazer de forma artesanal. Paramos para degustar uns pães com azeites trufados e outros molhinhos que eram maravilhosos. Perto do mercado fica a Catedral de St. Martin.

 

Grüner Markt ou Mercado Verde

Grüner Markt ou Mercado Verde

 

Catedral de St. Martin

Catedral de St. Martin

O belo Rio Regnitzar

Chegamos na Obstmarkt, um espaço comercial bem próximo ao Rio Regnitzar. Na margem do rio existe um cais com uma espécie de guindaste antigo e histórico, o Am Kranen. Também é um ponto turístico dessa região de Bamberg.

Am Kranen - o cais e o guindaste

Am Kranen – o cais e o guindaste

Seguimos pela margem do rio, observando as pontes, os patos, a vegetação e a arquitetura das construções que ali ficam situadas.

Margem do rio

Margem do rio

 

Patos no rio e a ponte entre as árvores

Patos no rio e a ponte entre as árvores

 

Ponte Geyerswörthsteg

Ponte Geyerswörthsteg

A Prefeitura sobre a ponte

Nos arredores da Altes Rathaus, a antiga e lindíssima Prefeitura, situada em cima de uma das pontes, funciona uma pequeno polo gastronômico e comercial, com restaurantes, livrarias e lojinhas. Uma delícia.

Altes Rathaus, a antiga Prefeitura

Altes Rathaus, a antiga Prefeitura


Arredores da Altes Rathaus, a antiga Prefeitura

Arredores da Altes Rathaus, a antiga Prefeitura

Influência do catolicismo: igrejas, catedrais, mosteiros e tudo mais

No caminho para a catedral, passamos por mais uma igreja, a Obere Pfarrkirche. Na verdade essa igreja é a paróquia superior da cidade. Vale ressaltar que Bamberg que tem pouco mais de 70mil habitantes e seus registros iniciais são do ano de 902, onde era habitada por monges beneditinos. Isso explica a influência do catolicismo ser tão forte na cidade, que tem inúmeras igrejas, catedrais, mosteiros e conventos.

Obere Pfarrkirche - fachada

Obere Pfarrkirche – fachada


Obere Pfarrkirche - internas

Obere Pfarrkirche – internas

Caminhando e observando o cotidiano da cidade em plena segunda-feira, chegamos na DomPlatz, a praça da catedral. A praça é bem bonita, quase sem movimento de veículos e pedestres. Se bem que esse pouco movimento também poderia ser por conta do frio congelante rsrsrsrs. Fizemos fotos do entorno e zanzamos um pouco observando as belas fachadas dos prédios ao redor e a luz linda do sol batendo nas construções e árvores. Mas não demoramos muito para entrar na Bamberg Dom, a catedral de Bamberg, já que o frio ainda era intenso.

DomPlatz - a praça da catedral

DomPlatz – a praça da catedral

 

Bamberg Dom - a catedral de Bamberg

Bamberg Dom – a catedral de Bamberg

Depois de um tempo observando tudo e tirando fotos dentro da catedral, já estávamos mais aquecidos. Tomamos coragem e saímos na rua novamente, para seguir nosso percurso até o Neue Residenz, um complexo de casas que foi a Residência Nova dos príncipes e bispos e que hoje abriga a Biblioteca Estadual e a Galeria de Estado de Bamberg. Circulamos pelas imediações e adentramos em um portão mas não havia movimento de pessoas. Certamente segunda-feira não é um bom dia para visitação de atrações como museus e casas desse tipo.

Neue Residenz

Neue Residenz

O almoço, finalmente

De lá, voltamos para a Dominikanerstraße, a famosa rua das cervejarias. Nosso almoço foi no Kachelofen, onde compartilhamos a mesa com dois estrangeiros e um local que fazia o papel de guia dos amigos. Aqui vale lembrar que na Alemanha e várias cidades da Europa, é muito comum o costume de compartilhar mesas quando o restaurante está cheio e há lugar vago em alguma mesa. Você pode ler mais sobre este e outros hábitos no post sobre 10 coisas sobre comer em restaurantes na Alemanha.

Voltando aos nossos colegas de mesa, um dos estrangeiros era de origem marroquina e disse que estava na cidade a negócios. Falou o tempo todo, se vangloriando de suas viagens e de ser um business man. Mas o que me deixou incomodada e desconfortável foi mesmo a sessão de perguntas pessoais e sobre meu relacionamento com o Augusto. Mas enfim, nem tudo são flores numa viagem.

Bom, mas o restaurante era ótimo. Comida excelente e cerveja maravilhosa (claro!). O ombro de porco da foto foi o melhor que comemos em toda a viagem. Ainda compramos a caneca (pint) de chope do restaurante por 5 euros, mais uma pra nossa coleção.

Restaurante Kachelofen

Restaurante Kachelofen


Restaurante Kachelofen

Restaurante Kachelofen

Monastério: vale a pena a pernada morro acima

Pra queimar as calorias (muitas) ingeridas no almoço, caminhamos até Kloster Michaelsberg, o Monastério de São Michel.

A ideia era passar também no Fränkisches Brauereimuseum Bamberg, o museu da cerveja, que fica bem próximo no monastério, mas ele não abre nas segundas. 🙁 Fica pra próxima.

No monastério, visitamos os jardins e áreas externas. O belíssimo prédio estava passando por reformas mas lá de cima, a vista é simplesmente maravilhosa. Fizemos fotos lindas da cidade.

Kloster Michaelsberg, o Monastério de São Michel

Kloster Michaelsberg, o Monastério de São Michel

 

Kloster Michaelsberg, o Monastério de São Michel

Kloster Michaelsberg, o Monastério de São Michel

Além das duas razões de escolha da cidade citadas acima, vale ressaltar que o centro histórico de Bamberg é patrimônio cultural tombado pela Unesco. Parte dele, em especial, é chamado de Klein Venedig ou “Pequena Veneza”, já que tem inúmeros canais e pontes que o deixam ainda mais charmoso. A margem do rio foi o nosso caminho de retorno ao centro, depois de sair do Monastério.

Casas e detalhes da região da Klein Venedig

Casas e detalhes da região da Klein Venedig


Klein Venedig ou “Pequena Veneza”

Klein Venedig ou “Pequena Veneza”

Hora do lanchinho: torta + café

Como já tínhamos caminhado bastante e usados as calorias do almoço (aham, tá!), decidimos parar numa confeitaria super convidativa que nos fisgou assim que passamos. A Alfred Seel Bäckerei – Konditorei. Uma torta deliciosa acompanhada de chocolate quente.

Confeitaria Alfred Seel Bäckerei - Konditorei

Confeitaria Alfred Seel Bäckerei – Konditorei

Depois da torta com café delícia, nos perdemos pelas ruas e lojinhas de Bamberg enquanto escurecia.

Bamberg: a cidade da maior tradição e cultura cervejeira da Baviera

Então finalmente decidimos seguir até a famosa cervejaria Schlenkerla, die historische Rauchbierbrauerei. Chegando lá, como não tínhamos reserva de mesa e a cervejaria/restaurante estava cheia, ficamos novamente em uma mesa compartilhada. Mas o melhor de tudo era que a mesa na qual nos colocaram era a mesa tradicional do carteado de segunda à noite das senhorinhas locais. Sim, uma bando de senhorinhas de 70 anos pra cima, jogando carta e bebendo cerveja boa. Na mesma hora mandei uma mensagem pro grupo das minhas amigas do futsal com fotos dizendo que aquele era nosso futuro, depois que não tivéssemos mais saúde pra jogar. Nós ficamos ali por cerca de 1h, bebendo nossa cerveja e tomando a sopinha de goulash, daqueles pratos de entrada. Se quiser saber mais sobre os tipos de pratos e outras dicas leia o post sobre restaurantes na Alemanha.

Cervejaria Schlenkerla, die historische Rauchbierbrauerei

Cervejaria Schlenkerla, die historische Rauchbierbrauerei

 

Nós e as senhorinhas do carteado na mesa compartilhada do Cervejaria Schlenkerla, die historische Rauchbierbrauerei

Nós e as senhorinhas do carteado na mesa compartilhada do Cervejaria Schlenkerla, die historische Rauchbierbrauerei

Saímos da cervejaria seguindo pelas ruas do centro antigo novamente. Cruzamos a ponte da prefeitura e fizemos o caminho de volta, em direção a esta estação de trem. Cruzamos pelos lugares que só tínhamos visto durante o dia, como a própria prefeitura e o mercado de natal.

Igreja, Prefeitura e ruas do centro antigo à noite

Igreja, Prefeitura e ruas do centro antigo à noite

À caminho da Hauptbanhof de Bamberg (estação de trem), percebemos que ainda tínhamos tempo pra mais uma última cervejinha. 😀 Então paramos na cervejaria Fässla e lá tinha uma mesa de carteado de senhorzinhos. Cada cervejaria com sua mesa de carteado. Acho que segunda é o dia do carteado de Bamberg 😛

Fässla e o carteado de senhorzinhos

Fässla e o carteado de senhorzinhos

Então nossa missão na terra da tradicional cerveja rauchbier chegou ao fim e pegamos nosso trem de volta a Nuremberg.

E aí, gostou? Conta pra gente! Se já foi a Bamberg e tem outras dicas ou se tem vontade de ir e quer mais dicas, comenta aí! 🙂

Compartilhar esse post:
Tags:

Sobre Chai

Chai

Publicitária e pesquisadora, viajando sempre em busca de imersão na cultura dos destinos por onde passa. Amante de tecnologia, não mede esforços para registrar boas histórias com seus gadgets e traquitanas.

  • Instagram
  • LinkedIn
  • Email

4 Comentários

  • Fabi
    2017-08-07 15:28

    Chai, uma dica…estaremos em Munique e gostaríamos de fazer um bate e volta, o que vc recomenda Nuremberg ou Bamberg??

    • Chaiane Thiesen Bitelo
      2017-08-08 13:57

      Olá @disqus_PvxgMbHOHL:disqus 🙂
      As duas cidades tem seus encantos e características. Bamberg é menor e tem toda a relação com a cerveja, em especial a rauchbier. Dá pra fazer quase tudo das atrações da cidade em um único dia. Já Nuremberg é maior e mais famosa. Tem mais atividades relacionadas a museus, prédios históricos, pontes e bairros antigos, além do “Doku-Zentrum” (o Centro de Documentação do partido Nazista), e o Zeppelinfeld, local onde Hitler fez alguns de seus mais importantes discursos nas convenções do partido. Somente essa parte histórica sobre o nazismo já leva um turno inteiro se quiser ver o museu com calma e caminhar pelo Zeppelinfeld.
      Vai depender o estilo de vocês e do ritmo pra fazer as coisas. Se optarem por Nuremberg, sugiro planejar certinho o dia com cada lugar que vocês querem ver e confirmar o tempo de deslocamento pelo Google Maps, pra ter certeza que vai dar tempo. 🙂
      Espero ter ajudado.
      🙂

      • Fabi
        2017-08-08 14:17

        Olá Chai, obrigada pelo retorno. Em Bamberg nos interessamos muito sobre uma visitação aos sub-terrâneos de uma cervejaria, vc conhece este passeio??? A visitação é somente em alemão e inglês,né?

        • Chaiane Thiesen Bitelo
          2017-08-10 20:56

          Oi @disqus_PvxgMbHOHL:disqus, em Bamberg não chegamos a fazer visitação. Fizemos uma visitação nos túneis subterrâneos em Nuremberg, os mesmos utilizados durante a guerra. Essa visitação de Nuremberg acaba numa cervejaria. Super bacana, mas o guia fala alemão e tem um áudio guia em inglês. A gente falou sobre esse tour no Dia 3 – Nuremberg Card, Museus, Kaiserburg e tour por um Bunker… https://www.viajaredemais.com.br/europa/5-dias-em-nuremberg-na-alemanha-roteiro-completo/

Escreva um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.