11 de julho de 2019

O que fazer em Paris: roteiro para 5 dias (ou mais) na capital da França

Paris, a cidade-luz, é presença garantida na lista de “destinos dos sonhos” de 9 em cada 10 brasileiros apaixonados por viajar. Mesmo sendo a cidade europeia que mais vezes visitamos (4 no total, em diferentes épocas do ano), levou um tempo até finalmente nos sentirmos confortáveis para consolidar nossas experiências neste artigo sobre “O que fazer em Paris“.

Estruturar um roteiro de viagem em Paris não é tarefa simples. Com tantas atrações, tantos pontos de interesse, Paris é uma cidade que exige tempo que muitas vezes não temos disponível para vivê-la em sua plenitude. A simples tarefa de sugerir um roteiro em Paris sempre me pareceu um tanto quanto “pretensiosa”. Paris é uma cidade tão diversa e intensa que cada pessoa é capaz de vivenciar experiências inteiramente distintas. São muitas cidades em uma só: a Paris turística, a Paris gastronômica, a Paris do glamour, a Paris romântica, a Paris cultural, a Paris histórica, a Paris dos parisienses, entre tantas outras faces da mesma cidade.

Nesse post, o objetivo é simples: apresentar o que seria a nossa versão “ideal” de um roteiro do que fazer em Paris. A partir das nossas experiências pela cidade, consolidamos um roteiro mínimo de 5 dias em Paris (4 dias inteiros + o dia da chegada que praticamente não conta). Tem um pouco de cada “Paris” que mencionei acima, com muitas dicas para otimizar ao máximo o tempo de cada viajante. O conteúdo funciona muito bem como um roteiro completo para a primeira vez em Paris, mas esperamos que tenha também boas sugestões e inspirações para fugir do óbvio em Paris.

Antes do roteiro detalhado, algumas dicas e informações gerais sobre Paris:

Quantos dias devo ficar em Paris?

Se for a primeira vez em Paris, não fique menos de 4 dias inteiros na cidade. E estou desconsiderando o dia da chegada e/ou da saída de Paris, que costuma ser um dia “perdido” em função de cansaço, fuso-horário, traslado do aeroporto, check in no hotel, etc.

Ficar menos tempo do que isso em Paris significa fazer tudo correndo (literalmente), ou deixar de conhecer atrações “obrigatórias” da cidade. Um dos maiores “erros” de quem vai a Paris é planejar menos tempo do que o necessário para viver a cidade! A sensação de frustração é imensa, e fica a “obrigação” de voltar em outra ocasião (ok, isso não seria exatamente um problema!)

+ 12 Erros que você precisa evitar na sua viagem a Paris

Qual a melhor época do ano para conhecer Paris?

Paris é uma cidade de estações do ano muito bem definidas: Primavera em Paris costuma ter clima ameno e temperatura média de 15º a 25º, com jardins floridos colorindo a paisagem; Verão em Paris com temperaturas médias de 25° a 35º (podendo chegar a absurdos 45º nos dias mais quentes) e com dias muito longos (no auge do verão, o sol só se põe às 21h30); Outono em Paris com árvores cobertas de folhagem amarelada ou quase sem folhas e temperaturas de 10ºC a 20ºC e Inverno em Paris é rigoroso, com dias mais curtos (escurecendo por volta das 15h30), e muitos dias de neve e temperaturas abaixo de zero.

Em relação a planejar o seu roteiro por Paris, a principal mudança é que no verão provavelmente seu dia irá render mais. O horário de funcionamento de algumas atrações costuma ser ampliado, e fica mais fácil cumprir um roteiro cheio com dias mais longos. Importante não descuidar da hidratação e usar roupas confortáveis. Por isso montamos esse guia da mala de viagem no verão. Já no inverno, o frio e as condições climáticas podem atrapalhar e exigir mais tempo do que o planejado. E novamente é importante estar atento à saúde e se agasalhar. Leia nossas dicas com os 10 itens essenciais para levar na mala de inverno.

Existem ainda atividades e atrações que só funcionam em determinadas épocas do ano. Os mercados de Natal de Paris, por exemplo, só acontecem nos meses de novembro e dezembro. Já os festivais de projeção de luz e som como o La Nuit Aux Invalides costumam acontecer apenas no verão, quando as pessoas estão dispostas a ficar na rua até tarde.

Mas no geral, esse roteiro que estamos propondo pode perfeitamente ser adaptado tanto para o Verão em Paris quanto para Outono em Paris, Inverno em Paris ou Primavera em Paris.

+10 itens essenciais para levar na mala de viagem no inverno
+Mala de viagem de verão: checklist completo do que levar na bagagem
+Remédios para levar na viagem: o que não pode faltar na mala

Como ir do aeroporto até o seu hotel em Paris

Independente da sua chegada ser pelo aeroporto Charles de Gaulle (CDG) ou pelo Aeroporto de Orly (ORY), são muitas opções de transporte possíveis: trem, ônibus, uber, táxis ou traslados privados. A opção mais popular costuma ser o RER B, um trem que liga o aeroporto até outras estações mais centrais. Pode ser necessário integrar com o metrô para chegar até o seu destino final.

Já se o objetivo for o máximo de conforto e segurança, nada supera os serviços de traslados privados. Temos duas empresas que já utilizamos e indicamos (ambos com motoristas brasileiros): a Happy Transfer e a PLUS33. Pra saber mais, confira nosso post completo sobre o assunto:

+ Como chegar ou sair do aeroporto de Paris – Charles de Gaulle (CDG)

Transporte em Paris

Nem pense em alugar carro em Paris. Além da boa e velha caminhada, a melhor forma de se locomover dentro de Paris é usando metrô, ônibus ou trem. Para o transporte público, existem opções de passes como o Navigo – um passe que vale de segunda a domingo para uso ilimitado em toda a rede por um custo fixo. Outro passe que pode ser vantajoso é o Paris Visite, onde também por um preço fixo você tem acesso a toda a rede de transportes por um número específico de dias. Há também a opção de comprar bilhetes individuais de metrô. Comprando 10 de uma vez (Carnet 10 Voyages), o preço individual cai em cerca de 30%.

+ Guia de transportes em Paris

Por último, o bom e velho ônibus turístico hop on hop off é sempre uma boa para quem está turistando em uma cidade. A gente tem até um post completo dando todos os detalhes sobre eles. Confere aqui! 🙂

+ Ônibus turístico hop on hop off em Paris

Onde ficar em Paris?

Paris é divida geograficamente em “Arrondissements” (que na tradução seria algo como “bairros” ou “distritos”). Os “arrondissements” são numerados de 1 a 20, onde o “1” seria a zona mais central da cidade, e os demais seguem como em uma espiral até a zona de número 20 (a mais afastada do centro, mas ainda dentro de Paris).

Arrondissements de Paris: de 1 a 20, a cidade dividida em áreas ou distritos. Fonte: Fonte: https://parishereandthere.com
Arrondissements de Paris: de 1 a 20, a cidade dividida em áreas ou distritos. Fonte: https://parishereandthere.com

Entendido isso, é quase uma unanimidade dizer que os melhores locais para se hospedar em Paris são do 1º ao 8º arrondissement (mais próximos da margem do Sena). Aí estão 90% das atrações turísticas que provavelmente você irá visitar, então é claro que ficar nesses lugares e não depender tanto de transporte será sempre uma boa escolha. 

Mas cada “arrondissement” tem seu charme e sua própria atmosfera. Nós particularmente gostamos muito de ficar também no 11º (próximo a Bastille) e no 18º (Montmartre). Para conferir detalhes de cada bairro e saber nossas dicas pessoais de hotéis, temos um post completíssimo sobre onde ficar em Paris.

+ Onde se hospedar em Paris: dicas de hotéis e melhores bairros


O que fazer em Paris: Roteiro de 5 ou mais dias na cidade-luz

A melhor forma de organizar seu roteiro por Paris é tentar concentrar as atrações próximas geograficamente em um mesmo dia. O ideal é sempre explorar a cidade por áreas que você consiga percorrer a pé ou utilizando o mínimo de transporte público possível. Não adianta se planejar para visitar muitas atrações distantes entre si no mesmo dia porque você irá perder muito tempo com deslocamentos e acaba não conhecendo nada direito.

Outra dica importante é, sempre que possível, evitar agrupar muitas atividades de um mesmo tipo no mesmo dia. Por exemplo, por mais que você adore visitar museus, não dá pra fazer os Museu do Louvre, D’Orsay e Orangerie em um mesmo dia. Seria super cansativo e você certamente iria aproveitar muito menos do que alternando os dias da visita.

E a última dica básica é: deixe algum tempo livre para a melhor coisa de Paris: flanar e se perder pelas ruas. Não programe tudo de maneira cronometrada, contando sempre com o mínimo tempo possível. Deixe alguma margem para relaxar e de fato “viver” a cidade.

Vamos então sem mais delongas para o nosso roteiro de 5 ou mais dias em Paris, na França!

Dia 1: Chegada em Paris

Considerando que o primeiro dia será o da sua chegada em Paris, esse seria um dia quase perdido em termos de programação. É uma unanimidade em todos os posts de roteiro que o primeiro dia deve ser usado para se ambientar a cidade, acostumar-se ao fuso horário e resolver as questões “burocráticas” da viagem. Tem todo o procedimento de aeroporto, tem o trajeto do aeroporto até o hotel que leva cerca de 1 hora, tem check in no hotel, etc. Qualquer atraso nesse processo vai atrapalhar em cheio o seu planejamento, portanto, evite agendar museus e atrações com hora marcada para o primeiro dia.

Paris Museum Pass (passe de desconto em museus)

Ainda no aeroporto você pode adquirir o seu Paris Museum Pass na loja oficial do turismo, logo após o desembarque (caso ainda não tenha comprado online). Por um valor fixo, o Paris Museum Pass é daqueles passes que dá direito a visitar a maior parte das atrações da cidade por um número definido de dias. Existem opções válidas por 2, 4 ou 6 dias consecutivos. Dependendo da quantidade de atrações que você visitar, o passe vai resultar em uma tremenda economia.

Paris Museum Pass
Paris Museum Pass

A lista completa de atrações pode ser conferida no site oficial do Paris Museum Pass . Com exceção da Torre Eiffel (que não está incluída no passe), eu diria que todas as demais atrações que você provavelmente irá visitar em Paris tem entrada liberada e sem filas com o passe: isso inclui o Museu do LouvreMuseu D’OrsayMuseu de l’OrangerieArco do Triunfo, PantheonCatacumbas, Sainte-Chapelle e até mesmo o Palácio de Versailles!

Passeio pelos arredores do seu hotel

Depois de 1 hora de trajeto do aeroporto até o hotel e do check in realizado, é hora de finalmente começar a desbravar Paris. A sugestão é uma caminhada livre pelos arredores do hotel. Assim você já faz um reconhecimento de lojas, bares, restaurantes, estações de metrô, e vai começando a sentir a atmosfera da cidade. Caminhe sem pressa, prestando atenção nos detalhes, nas pessoas, nas ruas, na arquitetura das casas e prédios.

Uma boa dica é aproveitar e parar em algum café ou confeitaria para ter uma legítima experiência parisiense: comer um macaron ou outra legítima pâtisserie francesa.

+ Onde comer doces e pâtisseries em Paris

Arquitetura ao estilo haussmanniano: um símbolo de Paris

Não deixe de curtir um dos maiores símbolos de Paris: a arquitetura única de seus edifícios. Você vai reparar que boa parte dos prédios segue um mesmo padrão de cores e estilo arquitetônico. Revestimentos em blocos de pedra de cor clara, pequenas sacadas com grades de ferro bem trabalhadas… Isso é fruto de uma das reconstruções da cidade feitas por um ex-prefeito de Paris cujo sobrenome era “Haussmann”. O estilo ficou tão marcante e característico que ganhou o nome de ‘Haussmanniano’.

Alguns detalhes dos edifícios ao melhor estilo Haussmaniano
Alguns detalhes dos edifícios ao melhor estilo Haussmaniano

Compras em Paris

Se em algum ponto da viagem o seu foco são compras em Paris, o primeiro dia pode ser um bom momento não exatamente para comprar algo, mas para já ir mapeando algumas coisas. Descobrir exatamente quanto custa o item que você quer, onde comprar, etc. Apesar de não termos um perfil muito comprador, temos sim nossas muitas dicas sobre esse quesito!

Primeiro, se você estiver um pouco perdido sobre o que realmente vale a pena comprar em Paris, a gente tem esse post sobre sugestões de presentes para trazer de Paris. São dicas variadas para todos os gostos e bolsos.

Em geral, nas nossas viagens gostamos muito de fazer compras em supermercados! Em Paris existem ótimas opções como o Monoprix, Franprix, Carrefour, entre tantos outros. Certamente nas suas andanças pela cidade você encontrará vários deles. Se você também faz o perfil “loucos por supermercado”, confere o nosso post completíssimo sobre supermercados em Paris.

Mas se o objetivo são produtos gourmet tipicamente franceses, impossível não falar da Fauchon, um dos ícones da gastronomia francesa. Aliás, já viram nas comidinhas e produtos típicos é que a gente se perde nas compras, né? Se você também é desses, aqui tem mais 14 dicas de boutiques para comprar doces e patisseries francesas em Paris.

 Fauchon – patisserie
Fauchon – patisserie

Outra dica infalível de compras em Paris: cosméticos. Não dá para desperdiçar a oportunidade de comprar produtos das marcas mais famosas do mundo – grande parte de origem francesa. Ainda mais quando muitos desses produtos tem preços bem mais atrativos que no Brasil, mesmo em tempos de euro supervalorizado. A nossa favorita para compras de cosméticos em geral é a farmácia Monge, uma das farmácias mais baratas de Paris.

E se a viagem é no inverno, uma última dica de compras em Paris: roupas e acessórios para o frio em lojas como a Decathlon tem ótimo custo-benefício. Temos bastante informação sobre isso no nosso post sobre mala de viagem no inverno.

Margens do Sena e Avenida Champs-Élysées

Se o voo chegou cedo e você estiver com tempo sobrando, que tal começar de fato a desbravar a Paris turística? Uma boa dica para entender de fato a cidade é ir até as margens do rio Sena. O rio divide Paris em duas partes: a margem direita (ou Rive Droite) e a margem esquerda (ou Rive Gauche). Uma sugestão é iniciar na altura do Grand Palais e Petit Palais (metrô Franklin Roosevelt ou Champs-Élysée Clemenceau). Essa é uma zona repleta de palácios e edifícios de grande luxo e importância histórica.

Grand Palais e Petit Palais
Grand Palais e Petit Palais

Se quiser seguir pela área onde Paris é mais luxuosa, a dica é caminhar por duas avenidas próximas: a Avenue Montagne e a Avenue Champs-Élysée. São avenidas lindíssimas, imponentes e repletas de hotéis de luxos e grandes lojas de grife – algumas das mais caras do mundo. Os preços podem até inviabilizar pelo aspecto das “compras”. Mas passear e olhar vitrine não custa nada, né? 🙂

Avenida Champs-Élysée e Avenue Montagne
Avenida Champs-Élysée e Avenue Montagne

Place de La Concorde

Caminhando pelas margens do Sena em direção ao Jardin des Tuileries estão parques e praças lindíssimas. É o caso dos Jardins de Champs-Élysée e da Place de la Concorde com seu simbólico obelisco. Monumentos e esculturas estão por todos os lados, um autêntico museu a céu aberto.

Obelisco da bela Place de la Concorde
Obelisco da bela Place de la Concorde

Pontes de Paris: Ponte Alexandre III

No caminho, impossível não parar para admirar, fotografar e caminhar pelas pontes de Paris. Ao longo dos 13 quilômetros do rio Sena, são mais de 30 pontes e passarelas de todo tipo, desde as mais antigas construídas em pedra até as mais contemporâneas.

Considerada a mais linda de Paris, a Ponte Alexandre III é formada por um único arco de aço e foi inaugurada para a Exposição Mundial de 1900. Na decoração, destaque para as quatro colunas nos extremos da ponte com cavalos alados dourados na parte superior. Candelabros negros, anjos e outros elementos decorativos dão um ar quase celestial para a ponte.  

Ponte Alexandre III e outras pontes de Paris
Ponte Alexandre III e outras pontes de Paris

Jardin des Tuileries

Na chegada ao Jardin des Tuileries, aproveite para admirar a arquitetura do Museu de L’Orangerie (por enquanto apenas pelo lado de fora). Essa região icônica da cidade é muito agradável, e pode render o tempo que você julgar necessário para curtir a atmosfera do local. É interessante que essa é uma região que se transforma inteiramente em diferentes épocas do ano. No verão, é instalado um parque com uma imensa roda gigante. No outono, as folhas caídas e os galhos secos das árvores dão uma coloração única ao cenário. E no inverno pode ser que esteja tudo branquinho, recoberto de neve.

Jardin des Tuileries
Jardin des Tuileries

Rue de Rivoli e Place Vendôme

Bem pertinho está a Rue de Rivoli, uma das ruas comerciais mais famosas de Paris. Entre as lojas, estão desde souvenirs até marcas elegantes, além de cafés clássicos como o Angelina Paris. Uma bonita e homogênea estrutura de arcos garante à rua uma arquitetura bem peculiar e especialmente charmosa.

Rue de Rivoli e seus famosos arcos
Rue de Rivoli e seus famosos arcos

Um pouco acima no mapa está uma das praças mais luxuosas de Paris, a Place Vendôme. A praça é pequena, bem “clean”, sem árvores, mas com todos os prédios ao redor seguindo uma mesma linha arquitetônica. No centro, uma coluna de bronze – reza a lenda que foi construída a partir do derretimento de mais de 1000 canhões. Entre as lojas, muitas joalharias de luxo e o famoso Hotel Ritz.

Place Vendôme no cair da noite em Paris
Place Vendôme no cair da noite em Paris

Pirâmide do Louvre a noite e jantar

Depois de curtir seu primeiro pôr do sol em Paris, pode ser uma boa oportunidade para conhecer o Museu do Louvre. Aliás, não exatamente o Museu em si (que recomendamos deixar para outro dia), mas a parte exterior do Museu e especialmente a famosa Pirâmide do Louvre. A noite ela fica iluminada e ganha uma aura única.

Piramide do Louvre iluminada a noite
Piramide do Louvre iluminada a noite

Depois é só escolher um bom restaurante para seu primeiro jantar em Paris (perto dessa região ou perto do seu hotel). Temos uma lista com diversas recomendações de bares, cafés e restaurantes em Paris – todos devidamente visitados e aprovados por nós. Confere lá e escolha o seu! 🙂

+ Onde comer e beber em Paris

Dia 2: Museus, Torre Eiffel e Passeio de barco pelo rio Sena

Museu D’Orsay

Comece o dia ativando o seu Paris Museum Pass em um dos museus “obrigatórios” de Paris, o Musée D’Orsay (com o passe, a entrada é gratuita e sem filas). Situado na margem esquerda do Sena, o museu funciona todos os dias a partir das 9h30 da manhã (exceto segundas-feiras). O prédio que abriga o museu data de 1900, sendo mais uma das grandiosas construções da famosa Exposição Universal desse ano (assim como a Torre Eiffel e outras tantas atrações de Paris).

O que fazer em Paris: Musée D'Orsay
O que fazer em Paris: Musée D’Orsay

Originalmente o prédio foi construído como uma estação de trem. Isso justifica sua arquitetura característica, com um amplo pavilhão interno onde parte das obras fica exposta.

Primeiro pavilhão do Museu D'Orsay
Primeiro pavilhão do Museu D’Orsay

Em seu último andar, um imenso relógio de ponteiros com vista para Paris é alvo de todos os olhares e de muitas fotos de instagram. 🙂

Em suas coleções, o Museu D’Orsay apresenta nos 4 andares pinturas e esculturas da arte ocidental – em sua maioria dos séculos XIX. Nomes como Van Gogh, Cézanne, Monet, Manet e Degas são alguns dos maiores destaques da exposição permanente, reunindo o maior acervo de obras impressionistas do mundo. É o tipo de museu que até quem acha que não conhece nada de arte vai identificar dezenas de obras. Simplesmente o nosso favorito de Paris.

Detalhes de obras importantes do Museu D'Orsay
Detalhes de obras importantes do Museu D’Orsay

O museu é bem grande e a visita em geral dura cerca de 1h30 a 2h, dependendo do interesse de cada visitante. Para ingressos e maiores informações, acesse aqui.

Museu de L’Orangerie, Museu Rodin ou Invalides

Para a versão mais curta do roteiro em Paris, contemplando somente 5 dias na cidade, a sugestão é que você escolha um desses museus para ser o segundo do dia. Se for ficar mais tempo, aí sem dúvidas vale fazer todos eles! Sempre relembrando que tanto o Museu de L’Orangerie quanto o Museu Rodin e o Invalides tem entrada liberada e sem filas para quem estiver com o Paris Museum Pass.

O Museu de L’Orangerie segue na linha do impressionismo. Aqui as principais obras são as ninfeas de Claude Monet (vale muito a pena ver as obras e comparar com os jardins de Monet em Giverny, de onde o artista tirou a inspiração para as pinturas). O museu é lindíssimo e de rápida visita, além de não ficar superlotado como os demais, o que é mais um motivo para incluir na lista do que fazer em Paris. Para adquirir o ingresso combinado que dá direito ao Museu D’Orsay e ao Museu de L’Orangerie, acesse aqui.

Museu de L'Orangerie: Impressionismo e as Ninfeas de Monet
Museu de L’Orangerie: Impressionismo e as Ninfeas de Monet

Já o Museu Rodin foi criado em 1917 pelo próprio Auguste Rodin. Localizado no palacete rococó do antigo Hotel Biron e seus agradáveis jardins, nele está exposta grande parte das obras de Rodin (de sua autoria ou de seu acervo pessoal). Impossível não destacar “O Pensador” e “O Beijo”, duas das esculturas mais famosas de Rodin. A visita leva cerca de 1h em média.

O que fazer em Paris: Museu Rodin
O que fazer em Paris: Museu Rodin

O Hôtel National des Invalides ou simplesmente Invalides (Palácio dos Inválidos) é um enorme monumento parisiense construído em 1670 a mando de Luís XIV, para abrigar os inválidos de seus exércitos (daí o nome). Atualmente o local é um museu militar e se destaca pela imponente arquitetura e pelo túmulo de Napoleão Bonaparte. Para entradas e maiores informações da visita, acesse aqui.

Invalides: Museu militar e túmulo de Napoleão Bonaparte
Invalides: Museu militar e túmulo de Napoleão Bonaparte

Se a sua viagem acontecer de julho a setembro, pesquise sobre o evento La Nuit Aux Invalides. É um espetáculo de projeção de luz diretamente na fachada do edifício narrando trechos da história da França. Para mim, é a melhor forma de conhecer o Invalides. Emocionante e imperdível!

La Nuit aux Invalides
La Nuit aux Invalides: alguns takes do espetáculo

Tour Eiffel, Champ de Mars e Jardins Trocadéro

Seja margeando o rio Sena a pé, de ônibus turístico ou de metrô, o próximo passo do nosso roteiro é finalmente conhecer de pertinho a atração mais emblemática de Paris. Ela, a ‘dama de ferro’! A Tour Eiffel (Torre Eiffel).

A estrutura que é hoje um dos maiores símbolos de Paris e da França foi construída por ocasião da grande Exposição Mundial de 1900 para ser algo temporário. Inclusive, pouca gente sabe que no início a Torre Eiffel era odiada pelos parisienses. Tentando se colocar no lugar deles, até dá para entender que uma estrutura metálica e contemporânea em meio aos típicos edifícios de estilo haussmanniano da arquitetura de Paris não seria algo muito fácil de assimilar. Mas com o tempo (e com o desabrochar do potencial turístico) a nossa querida Torre Eiffel acabou caindo nas graças também do público local. 🙂

Especialmente se for sua primeira vez em Paris, diria que a experiência de subir a Torre Eiffel é daquelas obrigatórias. Infelizmente a Torre Eiffel é uma das poucas atrações de Paris que não está incluída no Paris Museum Pass. Então a dica é garantir seus ingressos online e com bastante antecedência. Na alta temporada, os ingressos se esgotam rápido e a alternativa de comprar só no próprio dia pode resultar em 3 horas de fila (já passei por isso…). E perder tempo em Paris, em euros, é tudo que queremos evitar, não é mesmo? 🙂

Os ingressos convencionais podem ser adquiridos no site oficial da torre. O mais simples (e mais barato) garante o acesso até o 2º andar da torre de escada – são 704 degraus! A outra opção inclui os elevadores, mas também só garante acesso até o 2º andar. Os tickets para ir até o 3º andar (o mais alto, quase na ponta da torre) são vendidos apenas no local e devem ser adquiridos no 2º andar (e mais uma fila). Mas sinceramente? A vista que vale mesmo é a do 2º andar. O 3º andar é alto demais, tudo fica pequenininho, e na nossa opinião não compensa o investimento e o tempo. A atividade toda (excluindo a possível fila para adquirir ingressos na hora) pode ser realizada em cerca de 1 hora.

Visitando a Torre Eiffel

Para quem busca experiências mais luxuosas e sofisticadas, empresas como a Get Your Guide oferecem tours personalizados e até pacotes que incluem um jantar no restaurante da Torre Eiffel. O cúmulo da chiqueza! 🙂

Mas claro que a “experiência Torre Eiffel” não se limita à subida da torre! Boa parte da graça está em observá-la e fotografá-la por todos os ângulos possíveis e imagináveis. E aí muita gente pergunta: Qual o melhor ângulo para tirar fotos da Torre Eiffel? Como observá-la da melhor maneira possível? Como registrar as melhores fotos?

Fotografando a Torre Eiffel por todos os ângulos

A dica é: vá com tempo não apenas para a atividade de subir a Torre Eiffel. Deixe uma boa margem para curtir tanto o Champ de Mars (uma das maiores áreas verdes em Paris) quanto o Trocadéro, áreas que ficam em volta da torre e permitem belas fotografias. De lá se tem as vistas consideradas as mais lindas da Torre Eiffel.

Torre Eiffel a partir dos Jardins de Trocadero

Aproveite para sentar no gramado e se misturar aos turistas e aos locais. E de repente até fazer um picnic curtindo o pôr do sol – como fizemos no dia dessa foto que está no nosso Instagram. Vale ainda percorrer as ruas nos arredores da torre, cruzar as pontes do Sena, tudo em busca do click perfeito! 🙂

Passeio de barco pelo rio Sena

Se você não ficou para o jantar na Torre Eiffel, que tal então curtir os últimos raios de sol de Paris a bordo de um barco pelas águas do Sena? Sim, o passeio de barco pelo rio Sena é outro daqueles passeios que não pode faltar em nenhum roteiro de Paris!

Com opções a partir de 15 euros por pessoa, existem diversas empresas oferecendo diferentes modalidades de passeio. As que já experimentamos e recomendamos são a Batobus e a Bateaux Parisiens.

O que fazer em Paris: passeio de barco pelo rio Sena
O que fazer em Paris: passeio de barco pelo rio Sena

Os da Batobus funcionam no modelo hop on hop off, como os ônibus turísticos. Nele você paga um valor fixo e pode embarcar e desembarcar diversas vezes ao longo do dia nas diversas estações.

Já a Bateaux Parisiens oferece passeios fechados e com duração definida, como o Cruzeiro Bateaux Parisiens: Bilhete c/ Acesso Prioritário (1 hora navegando pelo Rio Sena) ou o Bateaux Parisiens: Passeio de Barco com Jantar (passeio de maior duração que inclui jantar).

Dia 3: Montmartre, Moulin Rouge, Opera Garnier e Arco do Triunfo

Metro Abesses e Le Mur des je t’aime

Se não estiver hospedado em Montmartre, pegue um metrô e comece o dia por lá (descer na estação Abesses). Logo na saída da estação você vai encontrar o Le mur des je t’aime – um mural com a frase “Eu te amo” escrita em mais de 300 idiomas e dialetos, incluindo o português, é claro. Em geral será necessário disputar espaço com muitos casais para conseguir uma boa foto, mas a atração em si é só isso e dá pra “resolver” bem rapidinho.

Le Mur des Je t'aime
Le Mur des Je t’aime

Funicular de Montmartre

A partir dali, caminhe de 5 a 10 minutos em direção a estação do famoso funicular de Montmartre, uma espécie de bondinho que há mais de 100 anos faz o trajeto até o alto da colina (atualmente leva menos de 1 minuto e meio). O funicular é integrado a RATP, a rede de transportes públicos de Paris, então o custo é o mesmo de uma passagem simples de qualquer outro meio de transporte. Vale a pena como experiência e o custo é bem em conta.

Funicular de Montmartre
Funicular de Montmartre

Se não quiser utilizar o funicular, a outra forma de subir é utilizando uma das muitas escadas que levam até a parte alta de Montmartre. Também é uma experiência legal e costuma render belas fotos durante o trajeto, mas obviamente é mais cansativo.

Uma das escadarias que levam até o alto de Montmartre
Uma das escadarias que levam até o alto de Montmartre

Basílica de Sacré Coeur (Sagrado Coração)

No alto de Montmartre está o maior ícone do bairro: a Basílica do Sagrado Coração (Sacré Coeur). Seja para a visitação de seu interior ou de seus arredores, a atração sempre concentra uma imensa quantidade de turistas.

Com sua construção concluída em 1914, a Basílica de Sacré Coeur de fato é belíssima e tem entrada gratuita, sendo uma atração obrigatória em qualquer roteiro sobre o que fazer em Paris.

Visita ao interior da Basílica de Sacre Coeur
Visita ao interior da Basílica de Sacre Coeur

É possível ainda visitar a cripta ou subir até a cúpula da Basílica (atividades cobradas a parte), mas recomendo apenas para quem tiver tempo sobrando em Paris ou tenha um interesse especial nesse tipo de atividade.

O que vale muito a pena é admirar as belas vistas de Paris nos muitos mirantes nos arredores da Basílica e em todo o bairro. Com cerca de 130 metros de altura, a colina de Montmartre proporciona algumas das mais belas vistas de Paris.

Vistas de Montmartre

Place du Tertre e ruas de Montmartre

A Basílica de Sacre Coeur pode até ser individualmente a principal atração do bairro, mas o melhor de Montmartre é justamente o próprio bairro em si e sua atmosfera única e festiva. Talvez o grande símbolo seja a Place du Tertre, com seus artistas e vendedores de rua, cercada por animados bares, cafés e bistrôs. Quem gosta do estilo tem grandes chances de acabar se apaixonando pela região! Tanto de dia quanto à noite, o cenário é um convite para a caminhada pelas charmosas ruas.

Place du Tertre – o coração de Montmartre com seus artistas de ruas
Place du Tertre – o coração de Montmartre com seus artistas de ruas

Para quem busca por compras, Montmartre está repleto de lojinhas de souvenir e de artigos de arte e decoração. Você encontrará facilmente plaquinhas retrô de anúncios antigos ou fotos clássicas de Paris. Particularmente não temos uma indicação em especial. Vale a dica clássica de se perder pelas ruas e flanar por Montmartre.

Se quiser aproveitar para almoçar na região, duas ótimas pedidas são o La Bonne Franquette ou o Le Poulbot. Ambos EXCELENTES, especializados na culinária francesa e com atendimento muito bom. Para um lanchinho mais rápido e igualmente típico, o Rozell Café é conhecido pela fama de preparar os melhores crepes de Paris. E é bom demais mesmo! Além deles, impossível não mencionar o “Le Consulat”, cuja fachada de esquina já se tornou cartão postal de Paris.

Alguns dos restaurantes clássicos e imperdíveis de Montmartre
Alguns dos restaurantes clássicos e imperdíveis de Montmartre

Moulin Rouge, Pigalle e Café da Amelie Poulin

Já que para descer, diz o ditado que “todo Santo ajuda”, a sugestão é justamente sair do bairro a pé, de preferência pela clássica Rue Lepic. Além da rua em si ser um charme com muitas lojas de frutas, verduras e comidas frescas em geral, nela fica localizado um dos muitos cafés icônicos de Paris – esse consagrado pelos cinemas. Estamos falando do Café des Deux Moulins, que serviu de cenário para o filme “O Fabuloso Destino de Amélie Poulin” (2001). Eu confesso que nunca entrei e sentei para comer nada lá (está sempre lotado e não é barato), mas para quem é fã do filme, vale ao menos fazer aquela selfie clássica.

Café Deux Moulins - cenário do filme "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain"
Café Deux Moulins – cenário do filme “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”

Seguindo pela mesma rua você chegará a outra atração emblemática de Paris: o Moulin Rouge, a famosa casa de espetáculos com seu moinho vermelho clássico. Essa é uma região com muitas casas noturnas, então não há muito o que ser visitado nesse horário.

Opéra Garnier, Galeries Lafayette e La Madeleine

A próxima parada do roteiro em Paris é a região próxima a Opéra Garnier (estação de metrô Opéra). A Opéra Garnier é um imponente edifício de estilo neobarroco e que inspirou a conhecida obra “O Fantasma da Ópera”. O edifício é um dos mais belos de Paris pelo lado de fora, e aberto a visitação. Infelizmente a visita a Opéra Garnier não está incluída no Paris Museum Pass. Nesse caso, só recomendamos a visita caso realmente tenha interesse especial nesse tipo de atividade (caso contrário, vale priorizar atrações já incluídas no passe de museus).

Opéra Garnier em Paris
Opéra Garnier em Paris

Outra sugestão é visitar ali pertinho as famosas Galeries Lafayette. Além de ser um templo para compras de produtos gourmet ou de grandes marcas, o terraço das galerias é aberto ao público e oferece mais um belo visual de Paris vista de cima.

Galeries Lafayette: um paraíso das compras gourmet em Paris
Galeries Lafayette: um paraíso das compras gourmet em Paris

Se estiver com tempo, vale caminhar um pouco por essa zona da cidade, em direção a região conhecida por La Madeleine. O nome se deve a presença da Igreja Madeleine, um templo que se diferencia de todos os outros da cidade por conta de sua arquitetura similar a dos templos clássicos da Grécia antiga. A entrada é gratuita.

Igreja La Madeleine
Igreja La Madeleine

Nos arredores, muitas lojas importantes de departamento como a Printemps e a Decathlon, além de outro paraíso para compras gourmet, a Fauchon Paris.

Arco do Triunfo

Para fechar o dia de forma ideal, que tal um pôr do sol em Paris visto de cima do Arco do Triunfo? Construído a mando de Napoleão Bonaparte como uma homenagem à glória de seu exército, esse símbolo da cidade foi inaugurado no ano de 1836 e até hoje encanta não somente aos parisienses como também às centenas de milhares de turistas que visitam a cidade (cerca de 2 milhões de visitas por ano).

Com seus 50 metros de altura e 22 metros de largura, o Arco do Triunfo tem toda a sua superfície preenchida por esculturas, inscrições em baixo relevo e outros elementos que retratam cenas de batalhas e rendem homenagens ao exército francês. Vale a pena fazer a visita completa que inclui a subida até o terraço (faz parte das atrações do Paris Museum Pass). Lá de cima, somos premiados com essa vista panorâmica única da cidade de Paris. Se tiver interesse em adquirir apenas o ticket para a subida ao Arco do Triunfo, clique aqui.

 Arco do Triunfo: vista lá de cima
Arco do Triunfo: vista lá de cima

+ Como é a visita ao Arco do Triunfo

Dia 4: Saint-Germain-des-Prés e Museu do Louvre

Igrejas, Cafés e a atmosfera única de Saint Germain des Prés

Nesse dia o período da manhã será inteiramente dedicado ao bairro de Saint Germain des Prés. Esse é daqueles bairros que não podem ficar de fora de nenhum roteiro em Paris. Independente de ser a primeira ou a vigésima vez na cidade, é quase impossível não ser seduzido pelos encantos do tradicional bairro literário e artístico da cidade.

O charme dos edifícios e ruas de Saint Germain
O charme dos edifícios e ruas de Saint Germain

Saint German des Prés é absolutamente delicioso para quem gosta de passear e viver uma das atmosferas mais charmosas de Paris. O bairro é repleto de praças, fontes e principalmente algumas das Igrejas mais bonitas de Paris, como a Abadia de Saint Germain des Prés (que deu nome ao bairro) ou a Igreja de Saint-Sulpice. Ambas com entrada gratuita.

Igrejas de Saint Germain des Prés
Igrejas de Saint Germain des Prés

Ainda no tema das Igrejas, não deixe de visitar também a Capela Nossa Senhora da Medalha Milagrosa. Acredita-se que foi nessa capela que a Virgem Maria apareceu a Santa Catarina Labouré em 1830 e solicitou a criação de uma medalha (que veio a ser conhecida como a Medalha Milagrosa). Por conta disso, muitos fiéis adquirem a Medalha em busca de alcançar algum milagre ou causa “impossível”. Independente do contexto religioso, sem dúvida uma atração histórica do bairro.

Capela Nossa Senhora da Medalha Milagrosa
Capela Nossa Senhora da Medalha Milagrosa

Em meio às esquinas com seus cafés centenários sempre movimentados e ruas cheias de personalidade, destaque para o Café de Flore e o Deux Magots, lendários pontos de encontro de pensadores, artistas e escritores parisienses.

Mas se estiver de fato procurando por uma opção gastronômica no bairro, recomendamos o clássico restaurante Polidor ou o requintado bistrô Le Comptoir du Relais.

Panteão (Pantheon)

Entre as atrações do bairro está o Panteão de Paris. Contruído entre 1764 e 1790, foi o primeiro grande monumento da cidade e o primeiro a possibilitar a vista de Paris pelo alto. Com uma mistura de estilos arquitetônicos que vão do gótico até o grego, o Panteão teve diferentes funções: no século XIX servia tanto para fins religiosos como patrióticos, e só mais adiante se converteu em um edifício destinado a abrigar os corpos de pessoas ilustres – função que exerce até hoje.

A visita ao Panteão pode ser feita utilizando o Paris Museum Pass ou comprando o ticket individualmente. Além do interior do edifício, onde se destacam inúmeras obras de arte, esculturas e pinturas além de um pêndulo de Foucault, é possível ainda conhecer a cripta onde se encontram nomes importantes da história. Entre eles estão Voltaire, Rousseau, Victor Hugo, Louis Braille, Alexandre Dumas, entre outros. O total da visita leva em média de 40 min a 1 hora.

Jardim de Luxemburgo (Jardin du Luxembourg)

Outra atração imperdível dos arredores de Saint Germain des Prés, o Jardim de Luxemburgo é um dos favoritos dos brasileiros em Paris. O local é um grande parque público com mais de 22,4 hectares, aonde está sediado o imponente Palácio de Luxemburgo – atual sede do Senado francês.

De visitação gratuita, o jardim possui uma enorme variedade de flores, árvores, plantas e um belo lago central. Além disso, cerca de 100 esculturas estão espalhados pelo jardim, tornando o local um verdadeiro museu a céu aberto. Com muitos bancos e cadeiras para o público, o Jardim de Luxemburgo costuma receber inclusive muitos parisienses, especialmente nos dias de calor. É bem comum o pessoal aproveitar para tomar sol ou até mesmo para fazer um picnic cercado pela atmosfera de paz e tranquilidade do lugar.

O que fazer em Paris: Jardim de Luxemburgo
O que fazer em Paris: Jardim de Luxemburgo

Destaque ainda para a belíssima Fontana Médici, um dos tesouros “escondidos” no Jardim de Luxemburgo. Foi construída por volta de 1630 por Maria de Médicis, a viúva do rei Henrique IV da França. Está nesse local desde 1864.

Fontana de Medici
Fontana de Medici

Pont des Arts e Jardin du Palais-Royal

Cruzando o Sena pela linda Pont des Arts – muito famosa pelos cadeados que agora são proibidos por questões de segurança – você estará bem pertinho do Museu do Louvre, nossa próxima dica de o que fazer em Paris. Mas antes de entrar no museu, vale uma passadinha em outro Jardim: o Jardin du Palais-Royal.

Apesar de ficar bem ao lado do Louvre, o lugar é relativamente pouco visitado mesmo com entrada gratuita. Além do Palais Royal em si que é lindíssimo, destaque também para a atração mais famosa dos jardins: essas colunas divertidas e listradas projetadas pelo artista Daniel Buren.

Museu do Louvre (Musée du Louvre)

Inaugurado no final do século XVIII, o Museu do Louvre é mais uma daquelas atrações “obrigatórias” em Paris. Um dos museus mais importantes e mais visitados do mundo, recebendo mais de oito milhões de visitantes a cada ano.

Visitar o Louvre envolve mais do que a visita ao Museu em si. Toda a região no entorno é lindíssima, com áreas verdes, monumentos e, obviamente, o próprio edifício do Museu, original do século XII.

Museu do Louvre
Museu do Louvre

Isso sem contar é claro a Pirâmide do Louvre, uma das entradas principais do museu e que reúnem multidões de turistas em busca da melhor foto.

Sobre o museu em si: os melhores dias para a visita são quartas ou sextas, quando o Louvre fica aberto até próximo das 22h (nos outros dias fica aberto até as 18h). Importante reforçar que o Louvre fica fechado às terças-feiras.

A imensa coleção do Museu fica organizada por temas: antiguidades orientais, antiguidades egípcias, antiguidades gregas, romanas e etruscas, história do Louvre e o Louvre medieval, pintura, escultura, objetos de arte, artes gráficas e arte do Islã. O acervo completo reúne mais de 300 mil obras, sendo que destas, “apenas” de 35 mil ficam expostas.

Entre os destaques óbvios, a ‘Mona Lisa‘ (La Gioconda) de Leonardo da Vinci e a escultura ‘Venus de Milo‘ estão sempre rodeadas de observadores. Mas a quantidade de obras importantes e de destaque para a história da arte é imensurável.

Boa sinalização para as obras mais famosas: Mona Lisa e Vênus de Milo
Boa sinalização para as obras mais famosas: Mona Lisa e Vênus de Milo

O Museu do Louvre é uma das atrações incluídas no Paris Museum Pass – basta apresentar seu cartão e evitar as quase sempre enormes filas para a compra de ingressos. É possível ainda comprar online apenas o ticket do Museu do Louvre clicando aqui. Só evite deixar para comprar na hora, é sempre a pior escolha em Paris.

Apesar de sua enorme relevância, a grandiosidade do Museu e de seu acervo podem tornar a visita um pouco frustrante em alguns aspectos. Com exceção das obras principais que são muito bem sinalizadas (tem plaquinha com seta para a Mona Lisa em todos os salões), nem sempre é fácil se achar dentro do museu. Mas a gente não é desses que vai só para fazer o “check in” nas atrações principais, e nesse caso é provável se cansar antes de ver tudo que gostaria.

Em determinadas épocas do ano, o calor e a grande quantidade de visitantes também podem atrapalhar a experiência da visita. É o tipo de atração que é difícil de estimar o tempo médio da visita, pois depende muito do interesse e da disposição de cada um. Apenas a título de opinião pessoal, diria que cerca de 2 horas de visita é o tempo que julgamos o ideal para o nosso perfil.

Se tudo correu como o planejado, você terminará a visita a noite e aí é só escolher um restaurante para jantar e descansar para o próximo dia do roteiro. Veja aqui o guia de restaurantes em Paris que nós montamos para ajudar outros viajantes.

Dia 5: Feira de rua, Île de la Cité, Catedral de Notre-Dame, Marais e Centre Pompidou

O nosso quinto e último dia do roteiro é ideal para um domingo em Paris. Não que ele não funcione para outros dias com pequenas adaptações, mas domingos são dias mais “mortos” no restante da cidade. Portanto, se tiver um domingo na sua estadia por Paris, fica a dica do que fazer. 🙂

Marché Mouffetard

Comece o dia pela manhã por uma das feiras de rua da cidade. Nossa sugestão é o Marché Mouffetard que acontece a partir das 8h na rua de mesmo nome. O Mercado de Rua da Mouffetard é um dos mais antigos e interessantes de Paris. Por toda a rua você encontra desde vegetais e frutas frescas, passando por pães, queijos, patês e até mesmo lojinhas de roupas, artigos de decoração ou souvenirs. Fica muito movimentada e animada aos domingos. 🙂

Marché Mouffetard
Marché Mouffetard

Seguindo em direção ao rio Sena, em poucos minutos você chegará até as famosas “ilhas” de Paris: Île de la Cité e Île Saint-Louis.

Ilhas de Paris (Îlé de la Cité e Île Saint-Louis)

A Île de la Cité pode ser considerada o coração de Paris. Aqui foi oficialmente fundada a cidade, que desde a Idade Média já possuía um importante núcleo de população e era considerada centro político, cultural e espiritual da França.

Com seus edifícios históricos, a Île de la Cité oferece agradáveis ruas e praças para passear, nessa que é sem dúvidas uma das regiões mais lindas de Paris. Especialmente aos domingos, suas ruas e pontes costumam receber músicos e artistas de rua, atraindo não só os turistas mas também os parisienses.

Entre as principais atrações estão a Catedral de Notre Dame, a Sainte Chapelle e a Conciergerie. Mas toda a região é um espetáculo a parte, com praças como a Place Dauphine e suas pontes emblemáticas como a Pont Neuf , Pont au Change, Pont Saint-Michel, entre outras.

Ile de la Cité
Ile de la Cité

Já a Île St. Louis é uma zona mais residencial e se destaca pela atmosfera de tranquilidade mesmo em uma das regiões que mais atrai turistasd em Paris. Vale o passeio para admirar a arquitetura das casas e edifícios, bem como apreciar a vista do rio Sena.

Catedral de Notre-Dame

Construída entre 1163 e 1245 na Île de la Cité, a Catedral de Notre Dame de Paris é uma das catedrais góticas mais antigas do mundo e um dos maiores templos da religião católica em todo o mundo. Ao longo de seus 8 séculos de história, a Notre Dame foi palco de acontecimentos como a coroação de Napoleão Bonaparte, a beatificação de Joana D’Arc e a coroação do Rei Henrique VI da Inglaterra.

Atualmente, em função do grave incêndio ocorrido no ano de 2019, a igreja encontra-se fechada em processo de restauração. Nem mesmo a praça em frente pode ser visitada. Entretanto, por sorte boa parte da fachada e de sua estrutura permaneceram de pé resistindo ao incêndio.

Dessa maneira, no momento evidentemente qualquer atividade turística envolvendo visitação a Catedral de Notre-Dame encontra-se interrompida. A foto a seguir é de 2017, da última vez em que fizemos a subida nas torres da Catedral.

Sainte Chapelle e Conciergerie

Considerada por muitos como a igreja mais bonita da cidade, a Sainte-Chapelle por vezes é deixada de lado nos roteiros mais apressados para conhecer Paris. Erradamente, na nossa opinião. Com fácil acesso, entrada barata e próxima a tantas outras atrações de visita obrigatória, não há razões para deixar essa igreja lindíssima e seus vitrais de fora da sua viagem por Paris.

Sainte-Chapelle e seus vitrais
Sainte-Chapelle e seus vitrais

Com a interdição por tempo indeterminado da Catedral de Notre-Dame, diria até que a Sainte-Chapelle se tornou A igreja a ser visitada em Paris. Os tickets podem ser adquiridos online para evitar as filas na entrada. BAsta acessar o link Sainte-Chapelle: Ingresso Sem Fila e Tour Autoguiado.

Bem ao lado da Sainte Chapelle está a Conciergerie, um dos edifícios mais imponentes das margens do Rio Sena. O local é um antigo Palácio da Cidade, que já foi residência e sede do poder real francês do século X ao século XIV e serviu até de prisão para Maria Antonieta durante a revolução francesa.

Devido a proximidade das duas atrações, a visita a Sainte Chapelle e a Conciergerie no mesmo dia é uma dobradinha muito comum nos roteiros em Paris. O tempo total de visita é de cerca de 1:30 horas a 2 horas. Existe até uma modalidade de ingresso combinado para quem deseja visitar ambas no mesmo dia (com desconto sobre o valor unitário). Para adquirir o ingresso combinado, acesse: Ingresso Combinado Sem Fila Sainte-Chapelle e Conciergerie.

Mas se você possui o Paris Museum Pass que a gente tanto recomenda, a boa notícia é que tanto as visitas a Sainte-Chapelle quanto a Conciergerie estão inclusas no passe. \o/ Ainda não entendeu o que é ou como funciona o Paris Museum Pass? Então mais uma chance de acessar nosso post completo com todas as dicas sobre o passe.

Hôtel de Ville (Prefeitura de Paris)

Mais um edifício emblemático de Paris. Apesar do nome, o Hôtel de Ville de Paris é na verdade a Prefeitura da cidade, abrigando ainda outras instituições do governo municipal de Paris. O edifício fica na Place de l’Hôtel-de-Ville e funciona como sede municipal desde 1357. Além da própria arquitetura renascentista do Hôtel de Ville que é de cair o queixo, destaque para a praça como um todo, com suas fontes e espelho d`água impressionantes

Hôtel de Ville, a prefeitura de Paris
Hôtel de Ville, a prefeitura de Paris

Por vezes acontecem exposições de arte no interior do edifício e o acesso é liberado ao público – obviamente após intensa revista dos visitantes. Entretanto, fotos do espaço interno são expressamente proibidas.

Marais

Domingo em Paris é o dia oficial de passear pelo Marais. Conhecido por ser um bairro histórico e clássico de Paris, hoje tem fama por abrigar muitas lojas e comércios de rua, mas também já foi importante porque até final do século XIX era habitado pela nobreza. Fica em uma região que pega parte do 3º e 4º arrondissements e onde (quase) todo o comércio abre aos domingos.

Le Marais - ruas do bairro famoso
Le Marais – ruas do bairro famoso

Se você curte lojinhas de rua, cafés, casas de chá ou simplesmente bater perna por ruas simpáticas de Paris, certamente vai adorar passar a tardinha pelo bairro do Marais. Algumas dicas pessoais: a loja de geleias Les Chambres & Confitures, a casa de chás Mariage Frères, o mercado coberto Marché couvert les Enfants Rouges ou uma loja de vinhos franceses cuja dona é uma sommelier brasileira: a Divvino Paris.

Aqui você pode passar horas passeando, a depender do seu interesse. Se cansar cedo do Marais, uma dica pode ser caminhar até a Place des Vosges, outra das praças de Paris que não está tão distante.

Place des Vosges
Place des Vosges

Se preferir algo com um clima mais shopping center, uma opção é ir até o Les Halles, um grande centro comercial que tem até um supermercado Monoprix gigante.

Centro Georges Pompidou

Para terminar o dia, que tal mais um pouco de arte? A sugestão é visitar o Centro Georges Pompidou. Inaugurado em 1977 em um dos bairros mais antigos da cidade, o Centro Pompidou segue um estilo mais contemporâneo em sua arquitetura, com direito a imensos tubos coloridos que percorrem o exterior do edifício.

Visita ao Centro Georges Pompidou
Visita ao Centro Georges Pompidou

Com entrada gratuita no primeiro domingo do mês, o Centro Georges Pompidou abriga reconhecidamente uma das melhores coleções de arte moderna e contemporânea do mundo. O edifício possui 6 andares, sendo que o quarto e o quinto concentram as exposições permanentes do Museu Nacional de Arte Moderna. Entre as obras e artistas de destaque, alguns trabalhos de Matisse, Picasso, Kandinsky e Miró.

O estilo do que é exposto realmente não é para todos os gostos, então vale pesquisar um pouco mais sobre o acervo antes de decidir pela visita. Entretanto, se estiver no dia de entrada gratuita ou se possuir o Paris Museum Pass, a visita vale até para quem não é tão fã do estilo. O edifício reserva ainda um terraço com mais uma das belas vistas panorâmicas de Paris. O tempo total da visita varia de 1h a 2h.

Após a visita, nada melhor do que um jantar especial para, no caso de ser seu último dia em Paris, uma despedida em alto estilo da cidade. 🙂


O que fazer em Paris: dias extras na cidade

Se você se planejou para ficar mais de 5 dias em Paris, parabéns: você vai ter tempo de fazer todo esse roteiro com um pouco mais de calma e até incluir alguns programas fora do circuito “principal” de turismo. Ou mesmo poder visitar atrações nos arredores de Paris – que aliás, são muitas!

Na sequência, vamos listar uma série de sugestões e dicas de atividades para fazer em Paris e completar seu roteiro na cidade.

Curso ou degustação de vinhos franceses

Se você é fã de vinho, já pensou em fazer cursos ou degustações de vinhos franceses em plena Paris? Com mais tempo na cidade, essa pode ser uma ótima opção de atividade extra. Lembra que falamos da Divvino Paris? Então, além de loja, eles também oferecem várias opções de cursos, harmonizações, degustações, e o melhor, tudo em português!

Nós participamos do “Wine Flight Prestige” – uma opção que dava direito a 4 taças de 4 diferentes vinhos acompanhados de pães e queijos para harmonizar. Adoramos a experiência!

+ Leia sobre a nossa experiência na Divvino Paris

Catacumbas de Paris e Torre Montparnasse

Essas duas atrações famosas que deixamos de fora do roteiro principal ficam próximas entre si e poderiam tranquilamente ser feitas em um mesmo dia.

As Catacumbas de Paris (Les Catacombes) são o maior ossuário do mundo, organizado nos subterrâneos de Paris. Sim, literalmente um labirinto de ossos, aberto ao público em 1809. Os ossos são restos mortais de milhões de parisienses preservados de antigos cemitérios desativados da cidade. Um pouco mórbido, mas atrai muitos turistas e as filas são sempre gigantescas! Se for visitar, não deixe de adquirir o seu Paris Museum Pass para entrar sem perder tempo com filas.

Catacumbas de Paris
O que fazer em Paris: Catacumbas de Paris

Já a Torre Montparnasse (Tour Montparnasse) é um observatório no alto de um arranha-céu que mede 210 metros de altura – foi o mais alto edifício de Paris até 2011. Lá do alto é possível ter uma vista 360º da cidade, com seus monumentos e pontos turísticos como a Torre Eiffel, a basílica de Sacré Coeur, o Louvre, dentre outros.

O prédio nunca caiu no gosto dos franceses, e seu público é praticamente de turistas. A atração não faz parte do Paris Museum Pass, e as entradas podem ser adquiridas pela internet: Torre Montparnasse Ingresso Terraço.

Parc de Bercy e Cinématèque Française

Região pouco explorada pelos turistas, os arredores do Parc de Bercy trazem a beleza e a tranquilidade de uma área verde inteiramente frequentada pelos locais. O acesso de metrô é fácil e direto. Uma das atrações do parque é a Cinématèque Française, o maior museu dedicado ao Cinema da cidade.

Bastille (11º arrondissement)

O 11º arrondissement de Paris é daqueles bairros que nem sempre vão chamar a atenção do turista. Apesar de ficar bem próxima aos bairros mais famosos, a região não concentra grandes monumentos ou atrações – o grande marco talvez seja a Place de la Bastille. Mas talvez esse seja justamente o charme: o clima de uma Paris mais “real”, em uma atmosfera parecida com a Paris vivida pelos locais.

Esse clima se reflete nas pessoas, na arquitetura dos prédios, nos comércios locais e nos restaurantes. Uma das “jóias” escondidas do bairro é o restaurante La Ravigote. Além da cozinha clássica, com receitas a moda antiga inspiradas na verdadeira essência da culinária francesa, o La Ravigote é quase que essencialmente frequentado por locais, e com preços inacreditavelmente baixos para Paris. 

Cemitério de Père-Lachaise e Atelier des Lumières

Visitar um cemitério? Sim, em Paris isso acontece! O Cemitério de Père-Lachaise se tornou uma atração turística por reunir túmulos de várias personalidades como o músico Jim Morrison.

Bem próximo fica localizado o Atelier des Lumières, um centro de arte digital inaugurado em 2018. Por lá já passaram algumas das exposições mais impressionantes e imersivas que já visitamos, como a que colocava os visitantes “dentro” das obras do pintor holandês Van Gogh.

Belleville

Um passeio pelo bairro de Belleville em busca de muita arte de rua, parques e uma Paris bem diferente da habitual. O bairro foi usado como referência para a famosa animação francesa “As bicicletas de Belleville”.

O que fazer em Paris: arredores da cidade

Jardins de Monet em Giverny

Um dos passeios de meio dia ou de dia inteiro mais procurados nos arredores de Paris é a visita a pequena comuna de Giverny, a 75 km da capital francesa. Não tanto pelo vilarejo (que é até simpático mas super pequeno), e sim pela visita aos jardins da casa onde morou o pintor impressionista Claude Monet.

Existem basicamente 2 maneiras de fazer a visita: indo por conta própria ou comprando a excursão com alguma agência. Para saber tudo sobre como visitar os jardins de Monet em Giverny, acesse nosso post completo sobre o assunto:

+ Jardins de Monet em Giverny

Palácio de Versalhes (Château du Versailles)

Entre as atrações de Paris e seus arredores, o Château de Versailles ou Palácio de Versalhes talvez esteja tão presente no imaginário dos viajantes quanto a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo ou o Museu do Louvre. A cada ano o Château de Versailles recebe cerca de 8 milhões de pessoas interessadas em conhecer o interior, a riqueza arquitetônica e os belos jardins desse que é um dos maiores palácios de todo o mundo.

Palácio de Versalhes – primeiros salões
Palácio de Versalhes – primeiros salões

Para visitar o Palácio de Versalhes, é possível fazer tudo por conta própria (comprar ingressos e ir de transporte público) ou contratar alguma das opções de passeio oferecidas por operadores turísticos e empresas especializadas em passeios em Paris (traslado de ida e volta, entrada sem filas e guia).

+ Visita ao Palácio de Versalhes

Disneyland Paris (Eurodisney)

Outra atração que atrai especialmente os casais que viajam com filhos (mas não só eles!) é a Disneyland Paris. Clique para adquirir os tickets para a Disneyland Paris

Disneyland Paris
Disneyland Paris

Monte Saint-Michel

Apesar de particularmente considerar muito distante para um passeio de 1 dia, a visita ao impressionante Monte Saint-Michel é outra atração muito buscada pelos turistas. Clique para adquirir ingressos para o Monte Saint-Michel

Monte Saint-Michel
Monte Saint-Michel

Curtiu as dicas? Então comenta aí embaixo contando tudo que você fez na sua viagem a Paris e o que você mais gostou! 🙂


Reserve agora passeios e atrações em Paris

Você conhece o ônibus vermelho de turismo de Paris? Saiba tudo sobre o Big Bus Tours Paris

A Big Bus Tours Paris é a maior operadora da modalidade de passeios turísticos abertos em todo o mundo, aquela do ônibus vermelho. O serviço de ônibus hop-on hop-off é modelo que permite ao passageiro embarcar e desembarcar a vontade durante o período de validade do seu ticket. A rota clássica do Big Bus Paris passa pelas principais atrações de Paris, como a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo e o Museu do Louvre. São 10 pontos para embarque e desembarque de passageiros.

A forma mais prática é adquirir o seu ticket diretamente no site da Big Bus Paris. Comprando pelo nosso link, você ainda terá direito a 10% de desconto no valor (a partir de 35,10€ por pessoa) e todo o conforto e comodidade de já viajar com tudo planejado. Mesmo se você não souber o dia exato em que pretende utilizar os serviços da Big Bus Paris, não tem problema! O mais legal é que todos os bilhetes comprados online são “abertos”, o que significa que você poderá utilizar dentro de 6 meses após a data da compra. No dia de usar, basta mostrar o voucher que você recebe por e-mail que o atendente no ônibus fará a validação e seu ticket passará a contar pelo período que você contratou.

E não esqueça de garantir seu seguro viagem:

O seguro viagem é OBRIGATÓRIO para quem viaja pela Europa. A empresa de seguros que a gente sempre usa e recomenda é a Seguros Promo. É um buscador que compara o preço das principais companhias de seguro viagem e apresenta sempre a opção com melhor custo-benefício para a sua viagem!

Ah, e agora vem a melhor parte: quem é leitor do Viajar é Demais tem desconto exclusivo: basta clicar aqui ou no banner abaixo e utilizar o cupom para fazer seu seguro pelo menor preço possível.

Seguro Viagem

* Agradecimentos Office du tourisme de Paris, universal tour guide e Paris City Vision

Compartilhar esse post:
Tags:

Sobre Augusto

Augusto

Jornalista e professor, viajando sempre em busca de novas cervejas, de boa comida e das melhores promoções.

  • Email

Escreva um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.